Namore um homem que…

SAO-24_2-Kirito-Asuna

Namore um homem que te aceite como você é. Que ache o seu jeito de ser charmoso, e que não tente te moldar às expectativas dele. Que fique feliz ao te ouvir gritar de felicidade, mesmo que as normas de comportamento esperem que moças sejam ponderadas e quietas. Que não se acostume a te ver chorar, independente de te achar sensível e emotiva, que se importe com cada lágrima que cai de seus olhos e faça de tudo para que você não chore novamente.

Namore um homem que fique feliz ao te ver feliz. Que não precise almejar o mesmo que você pra te entender o que te realiza. Que fale do seu sorriso como se falasse de uma das maravilhas do mundo, e que se emocione ao te ver gargalhar.

Namore um homem que te ache linda. De moletom em casa, com o cabelo num coque mal feito. Que te ache extremamente linda morena e com cabelos longos, ou loira e de cabelo curtinho. Que te diga o quanto você é linda de manhã ao acordar de cara lavada, e que perca a fala ao te ver de salto alto e maquiada.

Namore um homem que te liberte. Que te beije sem cerimônia quando você estiver de batom vermelho. Que ria das suas trapalhadas em público. Que tope se fantasiar pra te encher de coragem quando você decide fazer um cosplay, mas desiste com vergonha de parecer ridícula. Que não veja limites no que podem fazer juntos.

Namore um homem que não te limite. Que te dê mais poder, e que não te segure pelo braço por medo de te perder. Namore um homem que você não precisa, e mesmo assim acorda todos os dias apaixonada por ele.

Namore um homem que te faça feliz.

Sobrevivente

Em setembro do ano passado larguei o trabalho com a promessa de um ano calmo, cheio de compromissos e aprendizados, mas calmo. Ano que investiria na minha educação, e faria meu tão desejado mestrado. Esperei muitos anos pra conseguir realizar esse sonho e achei que era o tempo perfeito. Depois de realizar o sonho de me casar e me estabilizar, porque não? 🙂

Living the dream! 😁📚📖

A photo posted by Ale Ferreira (@aleferreira) on

Os primeiros meses foram maravilhosos, cheios de tempo pra estudar, fiz novos amigos na universidade que finalmente não me tratavam como uma colega de trabalho ou conhecida por tabela. Fiz o meu círculo de pessoas que saiam comigo e gostavam de mim sem nenhum interesse ou obrigação. Fiz uma melhor amiga do outro lado do oceano que me vê sempre que pode, que se importa comigo como meus melhores amigos do outro lado do oceano.  

A photo posted by Ale Ferreira (@aleferreira) on

 

Como a vida é uma bandida maldita, tudo começou a desmoronar. Como uma fila de dominós que me encaravam ao cair, eu não consegui fazer nada pra impedir os desastres que aconteceram. São tantos que não da nem pra enumerar.

Considerando o stress e dificuldade que é pra fazer um mestrado em ciência aqui em Londres, me sinto uma super heroína só por ter entregue e finalizado tudo, em meio à todos os problemas que vivi. Todos os meus colegas de classe se dedicaram como se estivessem trabalhando para uma startup sem horário pra começar, ou terminar.

Enquanto isso, eu estava deitada na cama da Tina, me perguntando quando tudo isso ia parar. Quando que eu ia ter uma trégua.

Eu explico, ao terminar meu casamento, fiquei sem ter pra onde ir. Dormi por alguns dias na biblioteca da universidade, sem rumo, com medo de ter que jogar tudo o que havia lutado pela janela, porque não podia trabalhar enquanto estivesse fazendo o mestrado. Não da tempo, não rola fácil e não é permitido.

Passei por seis meses horríveis, dependendo de ajuda dos outros. Morei em casas de amigos, recebi ajuda emocional dessas mesmas pessoas, e muitas vezes eles me arrastaram pra fora de casa pra me divertir e tentar relaxar enquanto meu mundo desmoronava.

Posso encher a boca para chamar essas pessoas que me ajudaram de amigos de verdade, pois me ofereceram o apoio que eu precisava sem pedir nada em troca. Estiveram lá, me tiraram da biblioteca, me fizeram sair da cama pra comer algo, me convenceram de que eu podia terminar o que havia começado. Me mostraram que eu posso ser invencível se eu quiser.

Em 2015 eu perdi meu relacionamento, minha casa, amigos que pensei que tinha, minhas certezas e meus planos. Tentei colocar toda a minha vida em três malas e empurrei estas malas por todos os cantos de Londres. Muitas pessoas me perguntam “E agora, Alê? O que vc vai fazer?”.

A resposta é simples, viver, afinal sobrevivi desde maio. E se este ano não me derrubou, nada mais conseguirá.

<3 Obrigada todos os amigos que me ajudaram por mensagens no whatsapp, visitando Londres e me encontrando, emails enormes e ligações no FaceTime. Sem vocês seria difícil continuar. <3

Acabei essa tese, finalmente!!! 😄 | It’s officially over. #masters #msc #ucl

A photo posted by Ale Ferreira (@aleferreira) on